quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

TREINADOR CEGO FEZ SUCESSO NO FUTEBOL DE QUIXADÁ


                           
"Vamos chutar no gol!"; "Cola em cima do ponta deles!"; " Quero o time prá frente!"; "Vamos correr, olha a moleza!";  " Vamos! vamos! Vamos! Tá na hora de empatar!";  "Hei, seu juiz, foi pênalti!";  "Quem não quiser jogar, peça prá sair".  Estas expressões fazem parte do vocabulário do técnico de futebol, a beira do gramado. É absolutamente normal! Mas o que dizer quando essas recomendações todas partem de um treinador completamente cego? O que que é isso? Que papo é esse? Acredite se quiser mas em Quixadá, durante um bom tempo, um deficiente visual fez muito sucesso como treinador. É VERDADE! Temos notícias  de cegos extraordinários que consertavam motores de carros,  relógios, outros que foram bambas na cantoria popular mas um técnico cego é algo realmente muito interessante. Fomos atrás desta figura única que nos repassou muitas informações que, com certeza, serão do agrado dos seguidores de nosso "blog. Este simpático Senhor veio ao mundo no dia 14 de Fevereiro de 1930. Nasceu aqui em Quixadá na "Mãe domingo", como ele chama carinhosamente. Seu nome, Expedito Nogueira de Queiroz. Seus pais, Francisco Nogueira de Queiroz e Anísia Nogueira de Queiroz. Foi batizado na velha matriz pelo Pe. João Lucas Heuser, sendo os padrinhos Hermínio pinheiro e D.Mariquinha, um dos casais pioneiros no comércio lojista de Quixadá.  Aos 8 anos, foi acometido de grave doença e desenganado pelos médicos. Mas apareceu alguém que indicou para a sua cura, ervas sertanejas como pega-pinto, vassourinha e casquinha de Jatobá. "Fiquei curado e passei a admirar as plantas medicinais". A admiração foi tanta que, ainda hoje, mantém uma farmácia(como ele chama) que vende esses medicamentos caseiros. A família recebeu como herança, a fazenda "Serrote Branco", que se tornou uma das paixões de sua vida. Aos 27 anos, o mundo se escureceu para ele, ficou completamente cego. Sempre contando com o carinho dos pais, foi superando com dignidade esse momento. Seu Francisco Nogueira, querendo levar alegria ao filho, montou um comércio prá ele, um salão de dança e, a poucos metros do comércio, um campo de futebol. Chegou a hora de montar o time de Serrote Branco que logo ganhou o nome de "Cearasinho". Os craques do lugar se apresentaram querendo vestir aquela camisa. Um problema: Quem seria o técnico? Só havia um morador no Serrote Branco que tinha um profundo conhecimento sobre futebol, pois, ainda com a visão , leu tudo sobre o técnico da seleção brasileira Vicente Feola(foto). E aprendeu tudo sobre como montar uma equipe de futebol. Seu nome:expedito Nogueira de Queiroz. Cego? Sim, cego! mas manjava só tudo  sobre a bola. E assim se tornou o vitorioso treinador do "Cearasinho" que se tornou uma espécie de "Mais Querido do Sertão", comecinho dos anos 60. Como acontecia o treinamento da equipe? Ora, Expedito ficava no centro do gramado(ou melhor, várzea), e o seu auxiliar narrava quando acontecia jogadas no ataque ou na defesa. Se fosse no ataque,  o Feola do sertão gritava"CHUTA NO GOL!" Se fossem jogadas na defesa, o alerta em voz alta: "MARQUEM! NÃO DEIXEM CHUTAR"! O time tinha um protetor, Padre Cícero, numa decisão do treinador.

A fama do treinador cego logo se espalhou por toda a cidade e até fora dela. O time de Serrote Branco virou uma grande atração, não tanto pelo futebol que jogava mas sim, porque todos queriam ver de perto Expedito comandar a equipe. A Senhora Maria de Lurdes, testemunha ocular do fato nos confirmou que foi tudo a mais pura verdade. "Achava legal quando ele gritava pedindo garra ao time" e nunca me esqueci quando ele  discutia com o juiz, reclamando das marcações que ele achava errado". Os melhores do time, segundo o próprio Expedito. eram  o goleiro Raimundo Grosso(para ele, igual a Gilmar); O ponta José Ribeiro, o meia José Maria, que ele comparava ao mestre Didi(o da folha seca).

Quando perguntam a ele como um homem cego pôde treinar um time de futebol, tem sempre a resposta na ponta da língua:" Um cego não foi o maior cantador do sertão? (referindo-se a Aderaldo Ferreira de Araújo); José esmeraldino de Vasconcelos não tocava mil instrumentos? Meu amigo Adolfo Lopes não dominava como ninguém a mecânica? Então, eu fui o cego que treinou por quase 10 anos um time de futebol! Expedito Nogueira de Queiroz ganhou fama, seu feito é sempre lembrado. Jornais de Fortaleza deram destaque especial. Ele mereceu até uma cronica que foi escrita por João Eudes Costa e apresentada em várias emissoras do estado. esperamos que a divulgação que estamos realizando chegue ao conhecimento de todos aqueles que ainda não sabiam deste fato. E o nosso treinador cego, assim se despediu de nossa equipe: " TRAGAM AQUI O FELIPÃO! TENHO MUITAS DICAS PRÁ ELE!"  Apôs tá certo, Seu Expedito!
NR. As fotos de Expedito Nogueira de Queiroz pertencem ao arquivo do Blog. As outras imagens foram retiradas da Internet.


sábado, 23 de fevereiro de 2013

FUNDADOR DO "13 DE MAIO" RECLAMA DA AUSÊNCIA DO SEU CINEMA NA HISTÓRIA DA SÉTIMA ARTE EM QUIXADÁ. "ELES NÃO SABEM O QUE ESTÃO FAZENDO" PROTESTA

"Chico Amorim" - Fundador do cine 13 de Maio.
Prédio onde funcionou o Cinema 13 de Maio
(referência à Rua com mesmo nome), hoje Rua Basílio Pinto.
<>QUIXADÁ AO VIVO<><><>  FUNDADOR DO  "13 DE MAIO" RECLAMA DA AUSÊNCIA DO SEU CINEMA NA HISTÓRIA DA SÉTIMA ARTE EM QUIXADÁ. "ELES NÃO SABEM O QUE ESTÃO FAZENDO" PROTESTA!
A terra dos monólitos já chegou a ter 3 cinemas em funcionamento, ao mesmo tempo: O inesquecível Cine Yara, São José, construídos pelo pai do cinema em nossa terra, José Adolfo e o Cine 13 de Maio. 13 de Maio? Sim, isso mesmo, 13 de Maio! É porque, numa omissão injustificável de grande parte de nossos memorialistas e até mesmo da Universidade, o nome deste cinema sequer é citado. E isto  faz sofrer muito o seu fundador, Senhor Francisco Augusto Pinheiro de Amorim, o popular "Chico Amorim das geladeiras". Com lágrimas nos olhos(e aquilo me comoveu) diz não entender o porque dessa injustiça. "Nosso cinema existiu de verdade, muita gente assistiu filme lá", afirma com um pouco de revolta. Apaixonado pela sétima arte, contou com apoio de toda a família. Os seus pais Antonio Amorim e Senhora Núbia se empenharam pessoalmente em levar adiante  a ideia do filho. O "Cine 13 de Maio" era como uma coisa da família!", Diz Chico Amorim. E com sacrifício e dedicação o Cinema entrou em atividade, naquele meados dos anos 60. E a família contando com  amigos mais próximos cuidavam do funcionamento. Os maquinistas eram o fundador, Chico Amorim, o irmão Toinho; A mamãe Núbia Amorim vendia os ingressos; o papai Antonio Amorim era o garoto propaganda pois os cartazes dos filmes ficavam expostos no seu comercio, na parte externa do velho mercado público. O amigo de todas as horas, Haroldo Carroceiro, percorria as ruas da cidade, numa incrementada rural, realizando a propaganda volante, tão em moda, naqueles anos. E chegou o grande dia da inauguração! "Quixadá parou para assistir o filme"Sol e Sangue"! Nunca me esquecerei daquele dia! Tinha 300 lugares" informa com a voz embargada pela emoção.  Lembra que o "13 de Maio" também tinha uma função social pois muitos comerciantes e até empresários nos dias de hoje, começaram trabalhando ali,  vendendo balas na calçada. Cita, como exemplo, os queridos amigos Fernando e Flávio Pordeus. Havia a vesperal, aos domingos, o que fazia a alegria das crianças. Fez questão de lembrar os filmes preferidos do público, como os do estilo "bang-bang", os filmes estrelados por Elvis Presley e durante a Semana Santa, a "Paixão de Cristo". Aí, como aconteceu com outros cinemas de rua, vieram  os fatores que culminaram com seu fechamento, a começar pela TV, o vídeo-cassete.  Permanecem as salas exibidoras nos shoppings, em  especial. Mas aquela tradição, aquela ida aos cinemas de rua, foi definitivamente encerrada. O Nome "13 de Maio", qual a razão? Era o nome da atual rua  Basílio Pinto. Funcionou no prédio, hoje sem utilidade, aonde, por muito tempo, funcionou uma clínica médica(ver foto). Chico Amorim agradece aos professores e estudantes que documentaram o seu cinema mas lamenta profundamente o descaso de alguns historiadores. Tem nada não, Chico Amorim, estamos aqui para isso! Para mostrar ao mundo inteiro o seu querido "13 de Maio". As suas lágrimas servirão para que a memória do seu Cinema que você tanto amou, seja preservada para todo o sempre! Ficarás feliz, agora?Então, um abraço de toda a equipe do blog.     Nas fotos: Chico Amorim e o prédio aonde funcionou o "13 de Maio"(arquivo do blog). As outros fotos que ilustram esta matéria foram retiradas da Internet.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

GENTE ASSIM COMO A GENTE-JOÃO PICOLEZEIRO- 40 ANOS VENDENDO PICOLÉS

                                      <><><>  Quem passa pela rua Epitácio Pessoa, na calçada do "Grupo Escolar José Jucá se depara com a figura agradabilíssima de João Chagas da Silva, 78 anos bem vividos, boa parte dedicados ao trabalho exercido e sempre balizado pelo empenho e   honestidade. Trabalha desde criança, começando pela agricultura, nas terras boas de Caiçarinha, como afirma. Foi gari, durante bom tempo, desde a administração de José Linhares da Páscoa, "Homem correto" faz questão de dizer. Com 10 filhos para criar, dedicou-se a uma atividade paralela, vendedor de picolés,  e desde então, pela sua maneira de exercitar seu trabalho, foi conquistando a simpatia de muita gente, especialmente das crianças. "João Picolezeiro", como faz questão de ser chamado, é daquelas pessoas, que nos fazem acreditar que neste mundo, ainda podemos sonhar. A sua presença nos dá esta certeza. A certeza de que não é só os poderosos que fazem História mas também as pessoas simples. Olhar para a sua figura é ter diante dos olhos, um símbolo de bondade, é sentir o cheiro de gente boa! Às vezes, nem tenho necessidade de ir a rua mas o faço. Porque sei que encontrarei aquela figura que nos transmite tanta segurança, tanta vida, tanto entusiasmo, mansidão. "JOÃO PICOLEZEIRO! NÓS SOMOS SEUS FÃS! VOCÊ NOS MOSTRA, QUE APESAR DE TUDO, AINDA PODEMOS ACREDITAR NO SER HUMANO!

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

HÁ 55 ANOS MULHER REALIZA O TERÇO DOS CACHORROS


NO QUIXADÁ É ASSIM<> HÁ 55 ANOS MULHER REALIZA O TERÇO DOS CACHORROS<><>   Desesperada, ante a possibilidade de perder o filho querido, Nilo Fernandes, então com 2 aninhos de idade e apresentando um sério problema na pele e em  todo o corpo,  a senhora Maria Meneses  Fernandes, conhecida por todos como Marizô, resolveu, atendendo a orientação de amigos próximos, fazer uma oração a São Lázaro, santo discípulo e amigo de Jesus,  que na terra,  passou por  sofrimentos terríveis, muitas vezes, tendo como companhia os cachorros que lambiam suas chagas, com certeza, diminuindo seu sofrimento. O maior milagre de Jesus que a História tem conhecimento, foi exatamente ressuscitar Lázaro, fato que assombrou o mundo. Depois de muito esperar a cura do filho querido, a simpática moradora do Bairro Baviera teve a noticia dada pelos médicos de que seu filhinho estava curado. "Foi São Lázaro! Foi ele, sim!" Daí então, estudava uma maneira de agradecer ao Santo, quando num sonho lhe foi revelado que se ela cuidasse dos cachorros, dando carinho e proteção, muito agradaria a São Lázaro, pois foram esses amiguinhos que confortaram  seu sofrimento, aqui na terra. E desde então, passou a realizar, culminando no dia 17 de Dezembro, um terço para os cachorros, com certeza, agradando o Santo que curou seu filho. A devota de São Lázaro, hoje com 80 anos,  afirma que sempre contou com o apoio dos filhos e dos amigos. Questionada se isso desagradaria a igreja, foi enfática"O Padre falou que os animais são nossos irmãos de criação". No dia do terço, familias levam os animais, principalmente as crianças. A querida Marizô só concordou em dar entrevista se nós publicássemos a oração de São Lázaro. OK, MARIZÕ! " VOCÊ VENCEU! AÍ VAI A ORAÇÃO: "Ó São Lázaro, vós suportastes os sofrimentos da vida terrena com a certeza de alcançar a felicidade no céu; abri meu coração à palavra de Deus na bíblia e nos conhecimentos da igreja católica. São Lázaro, rogai por mim e pelos meus irmãos, amém". Chama a atenção, nos dias do terço uma bandeira na calçada da casa de Marizô. Está escrito: " Sâo Lázaro, não nos deixe cair na carrocinha, amém!" Será que o Santo atenderá os caninos?


sábado, 16 de fevereiro de 2013

QUIXADÁ AO VIVO<> GERAÇÃO DA "INTERNET" SONHA EM VER O AÇUDE DO CEDRO SANGRANDO

<><><>
Parece mesmo que a natureza gastou boa parte do que é belo na confecção do centenário açude. Pode até parecer exagero mas, com certeza, é uma das imagens mais visualizadas e admiradas no mundo todo.  Sem se falar na sua importância histórica. É tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional devido ao seu significado para a terra dos monólitos e para o próprio estado. Foi uma das primeiras e grandes obras de combate a seca, executadas pelo governo do Brasil. D. Pedro II ordenou a construção mas a realização da obra já se deu nos primeiros governos republicanos, entre os anos de 1890 e 1906. Ele encanta, impressiona pela sua bela parede monumental. Vale destacar que a grade de ferro que compõe a varanda sobre a barragem principal, foi totalmente importada   da Inglaterra e a cerâmica veio de Portugal. As obras da construção contaram, em boa parte, com a mão-de-obra dos flagelados da seca. Além da beleza natural, esportes, como a prática do rapel , se torna possível devido as pedras que cercam o majestoso açude. Mas, mesmo com toda essa beleza incomparável e possibilidade de práticas esportivas, o grande atrativo, sem dúvida, são as sangrias que possibilitam um momento quase "eterno" para quem teve o privilégio de ver este divino momento. E as sangrias só aconteceram por apenas 6 vezes. A primeira, em 1924(primeira foto), aí vieram as de 1925,1974, 1975, 1986(segunda foto) e a última, em 1989(terceira foto), portanto, há 24 anos. Quer isto dizer que jovens quixadaenses não tiveram ainda o contentamento de ver o majestoso sangrando. Na última vez que ocorreu, ainda não havia toda essa parafernália eletrônica de hoje. O computador ainda não tinha atingido o nível  de popularização. "Facebook" não tinha sido criado. Hoje, tudo isso está muito presente na vida de todos, especialmente dos  mais jovens. Eles se utilizam de forma intensa de todos esses modernos instrumentos. Tudo isso é maravilhoso mas o jovem quixadaense, aquele com menos de 30 anos, não teve  a incomparável visão do sangramento do açude do cedro. E eles desfrutarão deste momento, vivido por muitos de seus conterrâneos, de maior idade? Quando o Cedro voltará a sangrar? Os jovens de hoje terão esta oportunidade ? "Papai viu, mamãe também, meus irmãos mais velhos, idem. E eu terei quando esse privilégio? Ou não terei?",  reclama a jovem Tânia Fernandes, aluna de um colégio particular da cidade. O açude do Cedro está tão presente na vida dos quixadaenses que muitos dizem sonhar com um novo sangramento. Mas quando será este dia? Enquanto isso, velhas imagens trazem um pouco de conforto. E essas imagens se veem na "Internet" mas, ironicamente, essa geração ainda não presenciou o inigualável espetáculo do sangramento! É pena!
 



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

<>TIPOS POPULARES DE QUIXADÁ(2)<>GENTE ASSIM COMO A GENTE<>"DEDÉ RAIZEIRO MANTÉM VIVA A TRADIÇÃO DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS!

 O uso por parte de grande parcela da população das plantas medicinais, embora não exista um trabalho aprofundado sobre a sua eficácia no combate a diversos tipos de doenças, é uma realidade presente até os dias de hoje. São os raizeiros que mantem viva esta prática que, na verdade, é uma tradição secular. As raízes das plantas são bastante utilizadas no feitio de lambedores, chás e utilizadas de outras diversas formas. Falar em Fitoterapia(área que estuda a cura pelas plantas) não é papo para esses vendedores populares de cura para várias doenças. E, sem nunca terem estudado o assunto, deitam e rolam na hora de indicar remédios para diminuir o sofrimento de muitos. Os raizeiros já se tornaram almas vivas das ruas, dando aquele toque de enfeitamento, até de poesia, fazendo o combate da dura realidade que nos deixa sempre em constante preocupação. Em Quixadá, um Senhor desenvolve, com maestria, um papel importante na divulgação e manutenção dessa prática. Quem é ele? "Dedé Raizeiro"? "Sim, sim, não pergunte pelo meu nome, eu sou mesmo Dedé Raizeiro".  "Eu sou o mais famoso raizeiro da cidade" diz, com tranquilidade. A banca, que ele considera milagrosa, é montada no centro da cidade, na Travessa Tiradentes, próximo a uma agencia bancária. Instigado pela reportagem, no sentido de informar algum resultado do produto que vende, o conhecido raizeiro afirma que muita gente volta para agradecer a suposta cura de seus males. Uma senhora, na faixa dos setenta, voltou a sentir, novamente, vontade de arranjar um namorado e conseguiu. "Milagre, foi o Dedé!" "Foi o Dedé Raizeiro!".  Verdade? Mentira? Só provando deste remédio milagroso. Mas segundo o popular raizeiro, não há essa cura, é tudo psicológico,  na verdade, um problema fisiológico. Entenderam?

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

<>TIPOS POPULARES DE QUIXADÁ(3)<>RAIMUNDO LIMA- O SEU LUNGA QUIXADAENSE

NO QUIXADÁ É ASSIM<><>   TERRA DOS MONÓLITOS TAMBÉM TEM O "SEU LUNGA"! Agora os quixadaenses não precisam mais sentir inveja! Não é só os juazeirenses que podem desfrutar das respostas dadas a perguntas, digamos, inconvenientes. Não é só os filhos da terra do Padre Cícero que podem se gabar de conviver com um cidadão que não tem muita paciencia! SENHORAS E SENHORES, COM VOCES, O NOSSO "LUNGA". Ele, que é de Jaguaribara, veio para Quixadá, pequeno ainda, isso na seca de 32, por determinação do seu pai que foi feitor na construção do açude do Choró. Seu nome, RAIMUNDO LIMA DA SILVA, que está chegando aos 89  anos, cheio de alegria e vontade de ir mais em frente. Nosso "Lunga" é um apaixonado pela viola, a partir do momento que conheceu Pedro Bandeira. Chegou a cantar com o famoso Cego Aderaldo e por conta própria se auto-proclamou " O Poeta da Natureza.Participou de programas na antiga "Rádio Uirapuru".  Mas, foi no seu comercio, que mantém há quase 50 anos, a "Casa dos Relógios" que foi adquirindo muitos admiradores pela forma como trata as mais diversas questões. Foi o próprio que sugeriu esta matéria pois quer que todos conheçam seu jeito, ou seja, não gosta, não admite perguntas, segundo ele, idiotas. Como esta de um senhor que perguntou: "O senhor vende relógios?" ao que o nosso "lunga" respondeu na hora: Vendo não, vendo peixe! Voce não está vendo a placa? Certa vez, conduzindo a viola para uma apresentação na rádio, alguém perguntou: Raimundo, para que esta viola" A resposta veio nas buchas: "Isso não é viola, é espingarda para caçar nambu"! Mas o fato que o consagrou definitivamente como homem sem muita paciencia foi quando uma senhora se dirigiu a sua loja para comprar um rádio pois adorava cantoria. O nosso herói perguntou se ela era mesmo fã da viola e a mulher  assim falou: "SÓ NÃO GOSTO DE UM TAL RAIMUNDO LIMA! O nosso "Lunga" mudou de cor e assim se expressou: "NÃO VENDO MAIS RADIO A SENHORA, NÃO! NEM POR TODO O DINHEIRO DO MUNDO!"  Viva o nosso Lunga" Viva Raimundo Lima!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

HUMBERTO LUTADOR- UM DOS PIONEIROS DAS ARTES MARCIAIS EM QUIXADÁ



<> Ele ficou conhecido como um dos maiores lutadores de artes marciais, na terra dos monólitos. Mas sua fama se espalhou por todo o estado e fora dele, pois, no estado do Amazonas ganhou muita popularidade. Humberto Lutador foi um dos primeiros ídolos juvenis da cidade. A sua presenças nas lutas que aconteciam, com frequencia, atraia uma multidão, principalmente de jovens. Eles saiam dos cinemas que exibiam filmes com o mito Bruce Lee, e em seguida, corriam para aplaudir o ídolo que fez historia neste esporte. Aluno aplicado do Mestre Evandir, Humberto foi um fenomeno de popularidade! Lutou contra o temido He-Man,  Rei Zulu, Cássio, Umuarama( o terrível), Ted Nelson e o Gato Preto, o rei da Paraíba nas lutas marciais. Como sentia necessidade de se afirmar, ele venceu todas.  E isso atraiu a atenção da imprensa esportiva especializada. Humberto Lutador, nos seus 18 anos, era imitado pelas crianças e se tornou o sonho das mocinhas da cidade. Segundo o lutador, o seu maior combate, aquele que parou a cidade, foi contra o Indio Irapuan, num circo montado, aonde hoje se localiza a agencia do "Bradesco". Motivados pelo sucesso do ídolo, surgiram outros lutadores como Piaba, Jacó,  Junnior Capistrano(ele mesmo, da Casa Olinda) e muitos outros. Humberto Lutador, durante algum tempo, se apresentou em Manaus, sempre com muito sucesso. Hoje em dia, lutar não faz mais parte da vida deste pacato cidadão. Quando perguntam a ele o que acha do momento atual das artes marciais, ele fecha a cara e diz: HOJE É TUDO MARMELADA! É TUDO COMBINADO! NO MEU TEMPO ERA PAU E MUITO PAU!  NEM ASSISTO MAIS! Palavra de ídolo! Humberto lutador falou, TÁ FALADO! Nas fotos, com o amigo Roberto(acima) e momento marcante do grande combate com o ìndio Irapuan.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

PADRE JOSÉ BEZERRA FILHO-QUIXADÁ TEM MUITAS SAUDADES DELE

<> Nós, filhos de   Quixadá, católicos ou não, sentimos muita falta de um sacerdote que personificou a simplicidade, a bondade, além de uma atuação evangelizadora marcante. Atuava incansavelmente na divulgação da palavra de Deus na cidade e nos sertões, às vezes, até se locomovendo em lombo de animais. O importante era celebrar missas, novenas, levar conforto as familias. Mas foi no cotidiano das pessoas que este ser humano extraordinário marcou de forma irreversivel sua presença entre nós. A sua simplicidade encantava a todos! Estava no meio das pessoas, conversando com elas nas horas tristes e alegres. Fazia questão de ir,  pessoalmente, comprar os bens de que necessitava, pois assim, ficaria bem perto de nós que ele tanto amava. Quanta vezes foi visto no velho mercado público, na maioria das vezes, comprando peixe, conduzindo-o num uru(cesto de palha de carnaúba). "Bom dia!" "Bom dia"  Era "Bom dia" para todos, não importando a classe social. Padre José Bezerra não nasceu na terra dos monólitos, mas em Boa Viagem, no dia 19 de Janeiro de 1919. Ingressou no  Seminário, em Fortaleza no ano de 1934. 5  de Dezembro de 1943 é a data de sua ordenação. Foi o primeiro vigário da paróquia de Choró  que foi instalada em 20 de janeiro de 1953. Sobre sua santa presença em Choró, contarei um fato que pude presenciar, não me contaram: Num inverno rigoroso, o velho "jeep" do padre servia de transporte para um senhor e sua familia. Lembro, perfeitamente, que um figurão da igreja, repreendeu o santo padre, falando:" Bezerra, esse povo vai acabar seu "jeep"! O querido padre com aquela bondade de um verdadeiro homem de Deus assim se expressou: "´É para acabar mesmo!Não é meu, é do povo!". É por atitudes assim que Quixadá tem muitas, muitas saudades de Padre José  Bezerra Filho.  Este santo, eleito pelo povo atendeu o chamado de Deus em 17 de Agosto de 1980.