quinta-feira, 23 de junho de 2022

<>CALDEIRÃO DOS MITOS QUIXADAENSES

Zé Laranjeiras- filósofo popular da terra dos monólitos

Zé Leônidas- O Pelé quixadaense
Senhor Quinzinho, à direita e dona Lulu e o neto Joaquim Gommes
<><><>Numa bela tarde de domingo, descansava numa velha rede adquirida na fábrica  do senhor Benjamim. Naqueles anos, trabalhava no Colégio Municipal e lembro ter sido muito bem atendido pelo simpático Célio Oliveira, um dedicado gerente. Como sempre, o rádio ligado e naquele momento prestava atenção a canção"Caldeirão dos Mitos" com a melodia e letra do poeta campinense, Bráulio Tavares. O balanço da rede, aquele gostoso vai e vem, logo proporcionou um bem vindo relaxamento. E a voz de Elba Ramalho cantando aquela música bem nordestina logo me levaria para um sono tranquilo. Quando acordei, logo percebi que sonhei com os mitos destacados pelo Bráulio naquela canção, só que foi com uma narrativa mítica diferente, isto é, no meu sonho  os personagens eram quixadaenses. Corri para minha velha máquina de escrever Olivetti(Podem gargalhar amigos meus, mas ainda utilizo) e comecei a criar meus heróis da terra dos monólitos. Na verdade, uma paródia sem  nenhum objetivo cultural, mas, uma brincadeira entre amigos. Combinado, assim? Então, vamos começar? Gostaria de lembrar aos que acompanham as minhas, sempre, mal traçadas linhas que considero quixadaense não somente os que aqui nasceram, mas os que vieram de outros lugares e sempre tiveram uma ligação afetiva com nossa cidade. No primeiro momento do sonho, Vi os monólitos de Quixadá todos iluminados por   um possível incêndio que acontecia nas matas das terras de Cícero Moreno e com medo algumas pessoas corriam de um lado para outro. Porém, garanto que não era Nero tocando fogo em Roma e nem mesmo acontecia nada. O que clareava o céu  eram as fogueiras de São João nas festas promovidas pelo mestre Pereira. No meu sonho lembro que vi um padre(Seria um profeta?) atraindo multidões paras as festas dos padroeiros Jesus, Maria e José. Garanto com firmeza que não era Antônio Conselheiro reunindo  milhares de seguidores no arraial de Canudos e nem também os profetas Jeremias, Ezequiel ou Malaquias. Era, isto sim, o Padre Luiz Braga Rocha(O mais quixadaense de todos os caucaienses) celebrando com ardor as festas de nossos padroeiros acompanhado de muitos fiéis para a procissão do Cedro.    Lindos sons invadiam a bela Quixadá e até os monólitos se deliciavam com as belas notas. Foi aí que vi  e ouvi Glen Miller e sua orquestra tocando "Moonlight Serenade" e ainda me deliciava com o som da flauta de Benedito Lacerta. Mas não era nada disso, amigos! Era a orquestra de Cego Aderaldo(quixadaense de coração) tocando nas festas que aconteciam nas fazendas Olinda e Equador pertencentes aos senhores João e Luiz Cândido.   E a rede velha naquele gostoso vai e vem prolongava meu momento onírico. E eis que com muita alegria estava em Mônaco aplaudindo a McLaren de Ayrton Sena em grande velocidade deixando para trás outros competidores.   Também, eis que assisto o piloto austíaco, Nikki Lauda, em disputa sensacional com Alain Prost. Nada disso! Tampouco era o o escravo de Roma antiga, Flávio Scorpus, que ganhou  duas mil corridas de biga. Era ,isto sim, o senhor Quinzinho no seu fiat caçamba conhecido como Cafuringa passando como um raio pelas tranquilas(eram) ruas de Quixadá.    No meu sonho singular, vi um cara com as duas pernas tortas para o lado esquerdo se encantar num anjo e desbancar a poderosa seleção da Rússia num jogo da  Copa do Mundo.  Assisti um cara dar um vôo no ar e marcar um gol que foi o primeiro de bicicleta na história. Mas não era nem Garrinca e nem Leônidas da Silva e sim, o craque Zé Leônidas dando show de bola jogando pelo Avante no estádio da rua do Prado e sendo aplaudido pelo presidente Edinho e toda a torcida, inclusive adversária. O sono se prolongava e imagens e fantasias se apresentavam. Em determinado momento, lembrei que chorava ao ver um médico atendendo com muito amor aos escravos e todos que não podiam pagar e operava quem necessitasse. Prescreveu uns remédios para uma mulher que não podia comprar e deu-lhe seu anel de formatura. Mas não era Bezerra de Menezes e sim o caridoso médico Everardo Silveira que foi encantado como filho da terras dos monólitos pela generosidade para com todos, sempre mostrando ser um médico caridoso e não um negociante da medicina.  De repente, me vi em Mileto, uma antiga cidade  no Sul da Ásia Menor e vi caminhando num determinado espaço os filósofos Sócrates, Platão e Xenofante e mesmo a certa distância, pude perceber que discutiam sobre os problemas da cidade. Pórem, não era nem Aristófanes criticando Sócrates e sim o filósofo popular Zé Laranjeiras exigindo que lhe fosse apresentada a balança que pesou a pedra do cruzeiro. Nos sertões paraibanos vi uma arte brasileira com dois cantadores cantando repente e encantando aquela gente nordestina. Me encantava com a viola de Pinto Monteiro e seus improvisos. Muitos o chamavam de rei dos cantadores. Mas, não era Pinto Monteiro e nem Geraldo Amâncio e sim, Mariano e sua bela viola fazendo versos de improviso na velha estação ferroviária. Como em sonho tudo pode acontecer, eis que ganhei na mega sena e fui fazer turismo na Suiça e cheguei a frequentar o famoso restaurante "Le Relais" em Genebra, famoso pela carne assada e com um tempero especial. Tinha qualidade, era muito gostosa, mas saber temperar como o Senhor João da Carne Assada, jamais, jamais. E eis que no último momento do grande sono, vejo Eros, o Deus do amor desfilando pelo Olimpo e passando bem perto de mim. Parecia que a rede comprada no seu Benjami tornavam os sonhos mais bonitos, pois surgiu em minha frente, ela, Pavarti, a deusa hindu do amor. A magia do amor explodia e ficaria para sempre no imaginário. Mas, não eram deuses ou deusas da mitologia e sim, o belo casal que tornava os momentos dos quixadaenses mais bonitos, Waldir do Couto Dinelly e a deusa Branca. Este grande amor fascinava os filhos da terra dos monólitos. Mas, o sonho acabou como tudo acaba. Fui acordado pela cachorra Linda que me lembrava a hora de tomar os remédios da pressão. Nunca minha imaginação esteve tão excitada quanto neste sonho. O que muito me alegrou ao acordar foi o fato de que todo o conteúdo onírico teve como motivação maior o amor pelo meu Quixadá querido. Como alguém já falou certa vez; "Sonhar é melhor que viver.

Dr. Everardo-Fez da Medicina um sacerdócio

 

sexta-feira, 17 de junho de 2022

<>SESSÃO SAUDADE(JUATAMA) - AS MERENDEIRAS - PESQUISA DO PROFESSOR AUDÊNIO MORAES

Professor Audênio

As merendeiras

 <><><><>Estas senhoras graciosas serviram merenda para as crianças de Juatama por muito tempo. Mulheres de fibra, de uma coragem inquebrável para trabalhar.

Foram elas que alimentaram crianças que muitas vezes só tinham a refeição escolar para sobreviver. Cozinhavam com carinho e zelo, com muito comprometimento com seu trabalho.
Hoje, todas aposentadas, exceto Maria Helena, que já partiu para os braços de Deus. Zenilda nesta época deixara de ser professora para comandar a equipe de merendeiras.
Nós, alunos da Escola Renato Carneiro, se divertiamos na fila da merenda com os empurrões e cutucões, arengando uns com os outros na hora do recreio.
Tempos bons, que não voltam mais.
Aplausos para estas grandes mulheres.

terça-feira, 14 de junho de 2022

<>A IMAGEM E O FATO - PROFESSOR GILBERTO TELMO NO LANÇAMENTO DA BIOGRAFIA DE FAUSTO NILO EM QUIXERAMOBIM

 

Fausto Nilo e Gilberto Telmo
<><><>Dois grandes nomes de nossa cultura em imagem de 2017. Professor Gilberto Telmo, ex-diretor da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central(FECLESC) e Fausto Nilo, arquiteto, urbanista e compositor. Ambos originários de Quixeramobim, com o detalhe de que Fausto Nilo morou na casa do ilustre Antônio Conselheiro. Amigos desde os tempos dos anos verdes, Telmo e o famoso arquiteto deram sua contribuição a cultura da cidade coração do Ceará e,evidentemente, ao estado. Na imagem, Fausto Nilo e Gilberto Telmo que esteve presente no lançamento da biografia do amigo.
Professor Telmo

sexta-feira, 3 de junho de 2022

<>A CHEGADA DE UMA ROSA QUIXADAENSE NO CÉU

<>O autor deste blog ao lado de Rosa da Fonseca e sua irmã Maria Luisa
<><><><>Nem São Pedro tinha vista tanto movimento como aquele. Eram tantos que aguardavam a chegada de uma rosa quixadaense. Ao chegar e para surpresa de Rosa Fonseca o santo chaveiro falou: "Bienvenido guerrero". Com um bonito sorriso, ela diz nunca ter pensado ser recebida com um cumprimento em espanhol. Talvez, imaginou, Miguel de Cervantes lhe ensinou. De repente, se dá o mais belo abraço que já se viu. Rocilda Ferreira, em lágrimas, tenta segurar a emoção e fala docemente: "Minha filha, a sua batalha pelos humildes, o seu amor pelos invisíveis nos enche de orgulho e felicidade". E a convidou para depois dar um passeio de charrete como fazia na terra dos monólitos. Cantarolou baixinho para a filha"Soldados de Jesus marchemos sobre a cruz com São José e Maria" para lembrar das procissões que acompanhavam até o açude do Cedro. Rosa ri com alegria quando Rocilda lembra do Padre Luis quase gritando: "Todos, todos cantem o hino da Sagrada Família". Lembra, filha, quando declamávamos Luar do Sertão do Catulo e eu falava para você e seus irmãos: "Não há, ó gente, oh não, luar como o de Quixadá". O seu herói maior, o pai Manoel Rodrigues da Fonseca, com jeito carinhoso beija-lhe a face e quase sem poder falar afirma que Deus o presenteou com a mais linda rosa, a filha que fez do amor pelo próximo a sua razão de viver. Todos ao redor olhavam aquela cena mágica e eis que seu pai se encanta num fadista e entoa para ela os versos de "Casa Portuguesa". Educadamente, Rosa pede licença aos seus familiares para agradecer a todos que vieram lhe receber. Ficou emocionada ao se encontrar com Frei Tito e muitos jovens estudantes. Falou em ter chorado a noite inteira ao saber que ele tinha levado muitos choques na boca para não mais receber a hóstia num ato de tortura abominável pelo fato de combater uma cruel ditadura. Torquato Neto fez questão de desejar boas vindas a Rosa e dedicou para ela os versos: "Louvando o que bem merece, deixo o que é ruim de lado". Davi Capistrano lhes disse "Menina você foi e será sempre símbolo de bravura na lutas em favor dos oprimidos. Sofremos, mas o sonho não acabará jamais. Rosa olhou de lado e o coração deu pinote de alegria ao ver o quixadaense como ela, Francisco Brasileiro. Lembro de você cantando "Prá Não Dizer Que Não Falei das Flores" do Vandré, acompanhado por um violão nas ruas de Quixadá. Os dois sempre lutaram por um mundo melhor. E foi abraçada por muitos cearenses que estiveram ao seu lado na interminável luta por um mundo mais fraterno. Impossível descrever tudo que aconteceu naquele momento da chegada da grande mulher ao céu. De repente, mais que de repente, começa a chorar ,copiosamente, ao ser abraçada com carinho por aquele a quem mais admirou por toda a vida. O abraço carinhoso daquele que sempre falou que todas as pessoas são iguais, Jesus, que lhe confortou mostrando que a saudade que ela tem daqueles que ficaram faz com que eles estejam sempre pertinho dela. ADEUS, ROSA QUIXADAENSE!

............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. 


 

quarta-feira, 25 de maio de 2022

<>LANÇAMENTO DO LIVRO "LUIZ OSWALDO: ARTESÃO DE PALAVRAS -REGISTROS DE UMA TRAJETÓRIA" DE MAIZÉ TRINDADE

Luiz Osvaldo- Sua atuação na área educacional é uma epopéia

Maizé Trindade - Seu belo texto conquistou uma legião de leitores vorazes



 <><><><>Com imensa alegria comunicamos para nossos diletos amigos o lançamento do livro "Luiz Oswaldo: Artesão de Palavras- Registros de uma trajetória". A autora é a escritora e jornalista Maizé Trindade que conquistou uma legião de leitores por casa de seu doce texto que nos faz leitores vorazes de tudo que escreve. Será no dia 7 de junho, uma terça feira. Presenças confirmadas da autora e do professor Oswaldo. O lançamento será na Feclesc - Uece, auditório Rachel de Queiroz na rua José de Queiroz Pessoa, 2554 aqui na terra dos monólitos. O horário de 18:30 às 21:00.

terça-feira, 29 de março de 2022

<>MANUEL BARBEIRO(MANUEL ALEXANDRINO)<> O BARBEIRO QUE CONQUISTOU O CORAÇÃO DA CLIENTELA E DOS AMIGOS NA TERRA DOS MONÓLITOS


 

SESSÃO SAUDADE(JUATAMA)(3) -ESCOLINHAS DO SERTÃO - PESQUISA E PRODUÇÃO DE TEXTO: PROFESSOR AUDENIO MORAES


 <><><>Na fotografia, no ano de 1991, estão o ex prefeito Dr. Mesquita e seu vice Zé da Páscoa, acompanhando de sua esposa Dona Necy inaugurando a Escola Rural de Riacho do Meio. Muitos populares da região se aglomeram ao redor do alcaide para registrar este momento. Mesquita foi eleito prefeito a primeira vez em 1988, numa célebre eleição derrotando o empresário Renato Carneiro, quebrando a hegemonia da elite da época controlada pelo trio Aziz, Everardo e Renato. Era uma época de mudanças. O povo queria quebrar as elites do Coronelismo no Ceará e Mesquita representava esta mudança. Nos caminhões pau de araras o povo bradava nos comícios:
"Avante Dr. Mesquita
Avante que o povo gosta
Avante Dr. Mesquita
Tu és o candidato da vitória
Falou e disse, falou e disse
É Mesquita prá prefeito de Zé Páscoa para vice
Não há quem possa, não há quem possa
Pois desta vez a vitória será nossa"
              Este era o jingle da campanha vitoriosa dos dois.


Professor Audenio é o autor do espaço: Sessão Saudade(Juatama)
..............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................


"Avante Dr. Mesquita

Avante que o povo gosta 

Avante Dr. Mesquita

Tu és o candidato da vitória 

Falou e disse, falou e disse

É Mesquita pra prefeito e Zé da Páscoa para vice

Não há quem possa, não há quem possa

Pois desta vez a vitória será nossa" 🎶

Este era o gingle da campanha vitoriosa dos dois.